Vítimas de violência doméstica poderão fazer denúncia em farmácias

Com o objetivo de ampliar canais para a denúncia de crimes contra a mulher, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) juntamente com a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) acaba de lançar hoje (10) a Campanha Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica. A iniciativa transforma as farmácias como pontos de denúncia de casos de violência. Ao chegar no estabelecimento, a mulher mostrará a mão contendo um “X”. Ao atendente da farmácia ou ao farmacêutico caberá acionar a PM por meio do 190.

A Conselheira do CNJ, Maria Cristina Ziouva, explica que o projeto busca oferecer um canal silencioso de denuncia às vitimas, impedidas de chamar socorro nas suas residências e oferece um canal de denúncias nas farmácias e drogarias. “A nossa campanha é de caráter humanitário e de solidariedade social, e requer dois gestos muito simples para a diminuição desta estatística tão triste: para a mulher um X não mão e para o farmacêutico uma ligação”, afirma.

Várias instituições públicas e privadas se uniram em resposta ao aumento nos registros de violência em meio à pandemia do novo coronavírus. Dentre eles, estão o Conselho Federal de Farmácia (CFF) e a Associação Brasileira de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) como apoiadores oficiais da campanha que, inicialmente, conta com a participação de quase 10 mil farmácias em todo o país, e pretende alcançar a quase 90 mil.  “É importante ressaltar que embora seja voluntária, a participação dos farmacêuticos e das farmácias reveste-se de grande importância devido à nossa responsabilidade, como profissionais da saúde que somos, quanto ao bem-estar, a qualidade de vida das pessoas”, comenta o presidente do CFF, Walter da Silva Jorge João.

Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública apontam que em março e abril deste ano, o índice de feminicídios cresceu 22,2%, e as chamadas para o número 180 aumentaram 34% em comparação ao mesmo período do ano passado, de acordo balanço do governo federal. O Fórum apontou no mesmo levantamento uma queda na abertura de boletins de ocorrência ligados à violência doméstica.

Para Renata Gil, presidente da AMB, a ação vem em um momento oportuno e de extrema necessidade: ” A gente está percebendo que as mulheres estão morrendo porque não estão conseguindo denunciar e nenhum país do mundo conseguiu criar uma política pública efetiva de combate à violência contra a mulher; O Brasil, através desta ação, virou precursor dessa importante política pública”.

Adesão é voluntária e os farmacêuticos não precisarão se apresentar junto à delegacia, pois serão apenas denunciantes dos casos. Para participar da campanha, basta que os responsáveis pela farmácia encaminhem o termo de adesão assinado digitalmente em formato de foto para o e-mail sinalvermelho@amb.com.br. A imagem do termo de adesão devidamente assinado também pode ser enviada por meio de mensagem de Whatsapp para +55 (61) 98165-4974. Mais informações estão disponíveis em uma cartilha disponível em:  https://bit.ly/3fezgXL.

You may also like...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *