Assistência farmacêutica em doenças respiratórias crônicas

A chegada de temperaturas mais baixas e da primavera pode ser um pesadelo para pessoas com Doenças Respiratórias Crônicas (DRC), como asma, rinite e bronquite. Diante dessas doenças sazonais, o papel do farmacêutico pode fazer toda a diferença no alívio e prevenção de sintomas, além do acompanhamento do tratamento.

As DRC atingem tanto vias aéreas superiores como das inferiores e as populações que mais sofrem são crianças e idosos. A Organização Mundial da Saúde estima que 500 milhões de pessoas sofrem de alergias respiratórias nos países em desenvolvimento. As ocorrências de doenças respiratórias são caso de saúde pública.  O Datasus registrou que doenças no aparelho respiratório são a terceira maior causa de mortes no Brasil. Seguindo a Classificação Internacional de Doenças, a incidência fica atrás somente de tumores e doenças no aparelho circulatório.

De acordo com o Fórum das Sociedades Respiratórias Internacionais, em artigo publicado em 2017, estima-se que 334 milhões de pessoas em todo o mundo têm asma. A doença é mais afeta cerca de 14% de crianças ao redor do globo. A rinite alérgica pode ser considerada a doença de maior prevalência entre as doenças respiratórias crônicas e problema global de saúde pública, acometendo cerca de 20 a 25% da população em geral.

A farmacêutica e professora da pós-graduação de Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos, Alexandra Czepula, explica que em épocas de sazonalidade, como a chegada do outono, enfrentamos oscilações de temperatura e baixa umidade relativa do ar e isso afeta diretamente a respiração. “O ar mais seco aumenta a concentração de poluentes na atmosfera, as baixas temperaturas e poluição do ar aumentam os riscos de doenças respiratórias. Os principais vilões são os vírus respiratórios que causam o resfriado e a gripe, sendo transmissíveis por gotículas respiratórias”, informa.

O farmacêutico que trabalha diretamente no atendimento de pacientes em farmácias e consultórios pode auxiliar no tratamento pode dar dicas de como prevenir os sintomas. “O farmacêutico tem papel fundamental no controle dos distúrbios respiratórios. Ele pode auxiliar no rastreio e gestão das doenças, melhora do processo de adesão ao tratamento, ensinar como utilizar os medicamentos de uso inalatório (as bombinhas) e na educação e no controle ambiental”, ressalta. Os principais problemas relacionados a esses tratamentos, segundo a farmacêutica, estão associados a má adesão ao tratamento (principalmente quando o paciente está se sentindo bem) e a técnica inalatória que não é realizada de maneira correta.

De acordo com Alexandra, as principais maneiras de aliviar as alergias são lavar as mãos frequentemente, evitar locais aglomerados, evitar tabaco, manter-se hidratado, além de manter a casa limpa e arejada. Tratamentos com medicamentos também são uma das alternativas. “Os principais tratamentos são os anti-inflamatórios tópicos,  antialérgicos e os descongestionantes nasais. Antibióticos somente com a recomendação médica, se necessário. As vacinas são importantes que sejam feitas, principalmente em pacientes de alto risco, como os idosos”, completa.


Warning: sprintf(): Too few arguments in /home/admin/web/blogibras.com.br/public_html/wp-includes/link-template.php on line 2609

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *